Total de visualizações de página

terça-feira, maio 31, 2011

A IMPORTÂNCIA DA INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UMEI GRANJA DE FREITAS

PROJETO: CAMINHO DA ROÇA
MARILIAN ROSARIO DE ALMEIDA
2011

INTRODUÇÃO
De acordo com as Proposições da Educação Infantil, deve-se levar em consideração a criança como protagonista de sua própria história, respeitando a sua singularidade, sua vivência cultural e familiar. Pensando na necessidade de proporcionar este protagonismo para a turma foram propostos alguns momentos em sala em que a criança expõe seus anseios e desejos.
“preservando momentos de aprendizagens individuais e coletivas, de socialização de decisões, de descobertas, de discussão de opiniões divergentes e enfrentamento de conflitos, assumindo-se, portanto, como um espaço de construção de identidades de sujeitos aprendizes” (PROENÇA, 2003).

Durantes as rodas de conversa em sala observei que uma das crianças quando falava sobre alguns momentos de sua vida sempre se referia a um local no qual nomeava de roça. Na visão de Freire “o educando e educadores são sujeitos da prática educativa, e o conhecimento trazido pelos alunos torna-se subsídio para novos conhecimentos”.

Entretanto para os demais alunos o conhecimento de roça era vago, necessitando da minha intervenção para melhor entendimento de todos. Diante desta vivência foi possível reforçar que o papel da interação do individuo com o meio social é determinante para aquisição de novos conhecimentos. 
Motivada pela constatação da importância desta interação, comecei a indagar aos demais alunos o que era roça para cada um deles, surgindo então a proposta de desenvolvimento de um projeto que pudesse ser trabalhado tanto os hábitos das pessoas das pequenas cidades quanto o da grande metrópole (Belo Horizonte), relacionando-o com o projeto institucional que é voltado para promoção à saúde.
OBJETIVO GERAL
v  Apresentar as crianças algumas situações que acontecem de diferentes modos de acordo com a especificidade do local, fazendo com que conheçam os hábitos das pessoas das pequenas cidades e relacionando com o projeto promoção a saúde (como ocorrem os banhos na roça? Como as pessoas conseguem os seus alimentos? O que as pessoas usam como medicamentos? etc)

 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

v  Demonstrar para as crianças que são possíveis bons hábitos de higiene, mesmo tendo uma vida simples;

v  Revitalização da horta da escola, relacionando a ação com o plantio nas pequenas cidades (roça);

v  Proporcionar interação da família/escola através da revitalização da horta.

METODOLOGIA

O presente projeto tem como objetivo valorizar as falas das crianças, assim como a valorização e o respeito a sua cultura. Para tanto é necessário conhecer e compreender o sujeito mantendo uma relação de interação cotidiana na escola. Segundo (Vieira e; Pereira, -1999, p.13) “A realidade é o ponto focal do processo da construção de conhecimento. Assim, é preciso compreender o que é a realidade enquanto objeto de estudo, pois ela não é algo que se constrói fora da relação com o sujeito”.

As atividades aqui propostas serão divididas em algumas etapas, sendo que no primeiro momento, durantes as rodas de conversa serão feitas alguns levantamento sobre o assunto em questão (o que é roça). Ainda nesse primeiro momento a família falará o que pensa ou sente sobre a roça. Diante das informações obtidas será feito o registro e discussão de fatos relevantes para a realização do nosso trabalho. No segundo momento será criado um mascote do projeto que será utilizado como suporte para ligar as pequenas com as grandes cidades, visto que este mascote chegará da roça para o convívio das crianças. Com a chegada desse novo amigo será proporcionado aos alunos atividades que desenvolvam de forma lúdicas as várias linguagens e acima de tudo dicas para se viver bem com bons hábitos.
À instituição educativa cabe organizar o espaço, o tempo e as rotinas que garantam às crianças vivenciar diversas atividades que levem a experimentar situações de diferentes linguagens, por meio das interações com o outro, adulto ou criança, com o meio e consigo mesma. E, ainda, “preservando momentos de aprendizagens individuais e coletivas, de socialização de decisões, de descobertas, de discussão de opiniões divergentes e enfrentamento de conflitos, assumindo-se, portanto, como um espaço de construção de identidades de sujeitos ­aprendizes” (PROENÇA, 2003).

Em um terceiro momento, ocorrerá a participação efetiva da família, com o preparo e plantio da horta da escola, destacando para as crianças a importância das plantações para as pessoas das pequenas cidades. A descrição das atividades será apresentada através do quadro abaixo:


ATIVIDADES DESENVOLVIDAS
RECURSOS UTILIZADOS
Rodas de conversas, registro das falas das crianças e reconto de histórias.
·         Cartolina, hidrocor, livros de histórias
Introdução de um mascote que chegará da roça para estudar na UMEI.
·         Boneco do personagem Chico Bento
Confecção de cartaz com contagem regressiva para a chegada do novo amigo
·         Cartolina, hidrocor
Atividades que trabalhe a identidade do novo personagem e de cada criança, desenvolvendo algumas linguagens, ou seja, escrita do nome do amiguinho, sua idade e registro de como cada um deles o imagina.
·         Folha de oficio
·         Lápis preto
·         Palitos de picolé
·         Caixa de contagem
·         Lápis de cor
Recebimento do novo amigo com uma deliciosa recepção
·         Balões
·         Bolo e suco
Visita do novo amigo a casa de cada uma das crianças, que terá com missão, cuidar bem do convidado utilizando todos os instrumentos encontrado na bolsa levada pelo mascote.

·         Bolsa de T.N.T
·         Boneco Chico Bento
·         Escova de dente
·         Toalha de rosto
·         Sabonete
 Envio do portfólio para registro da criança juntamente com a família sobre os momentos em que ficaram com o novo amigo
·         Pasta plástica
·         Portfólio individual do aluno
Discussão sobre a alimentação do Chico Bento na roça.
Xxxxxxxxxx
Aproveitando a questão da plantação do próprio alimento nas pequenas cidades propor uma visita a horta da escola
·         Câmara fotográfica
Visita em espaços fora da escola, no qual poderemos  conhecer outros plantios já existentes.
·        
Em sala, sentados em rodas, questionar as crianças sobre os possíveis meios para    revitalização da horta, apresentando-lhes fotos e gravuras de plantio e colheitas feitas em algumas hortas.
·         Fotos e gravuras de plantação de horta
 Confecção de convites (realizado pelas crianças), convidando os pais para a participação da família  no plantio da horta
·         Folhas
·         Coloridas,
·         Canetinhas,
·         Figuras de revistas e jornais
Preparação do espaço e plantio da horta com a participação dos pais.
·         Ferramentas para o plantio
·         Sementes e mudas de    verduras e legumes
 Desenvolvimento de atividades que despertem nas crianças o gosto pela boa alimentação utilizando as verduras plantadas em nossa horta
·         Passeio para outros espaços  onde já existe plantação



As atividades aqui apresentadas acontecerão de forma flexível, podendo ser modificada de acordo com as necessidades e o andamento do projeto.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

PRENÇA, M. A. O registro reflexivo na formação do educador. Dissertação (Mestrado). São Paulo, Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, 2003.

PEREIRA, Maria L; VIEIRA, Martha L. Fazer pesquisa é um problema? Belo Horizonte, 1999
   
   BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. V.1, Brasília: MEC/SEF, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Unidade Municipal de Educaçaõ Infantil Granja de Freitas

"ACREDITE EM SI, DEPOIS SABERÁ COMO VIVER," GOETHE. BJOS!!